top of page

Estava uma ventania dessas de bater as janelas e fazer as roupas do varal dançar coreografia. Zunia e assobiava noite e dia. Sinal de que alguma coisa acontecia. Enquanto os adultos cochichavam, o menino se escondia. Trancou-se no quarto e fingiu que dormia. Quem sabe, pensou, assim consigo enganar a ventania. Mas nem com muito esforço, conseguiu ignorar o barulho. Parecia uma gritaria. Levantou-se. Atrás da porta, de pé descalço na lajota fria, o menino tentava entender o que se dizia. As palavras rodopiavam e sumiam, antes que pudesse ouvi-las. Catava um pedaço aqui e outro ali, para ver se eram de desespero ou de alegria. Mas nada lhe diziam. Lembrou-se daquele dia, em que sem mais nem menos, trancaram a porta e ninguém mais saía. Explicaram que enfrentavam uma pandemia. Deviam ficar trancados o mais que podiam, evitar tudo, até mesmo brincar com os amigos e abraçar a titia. O menino aprendeu a olhar pela janela e ver o tempo passando. Desenhava o que via e o que não via para não esquecer nada que lhe dava alegria. Aos poucos, acostumou-se com a nova fantasia. Uma máscara para cada dia que saía para ir à padaria. Em casa, inventou um mundo de papelão, magia e amigos imaginários que brincavam de tudo o que queria. Era bom ter os pais ali do lado todo o dia. Mas o que sonhava mesmo era sair correndo pelo bairro e no parquinho com os colegas jogar três Marias. Naquele tempo, não havia ventania como essa que zunia. Quando pensava nisso, os olhos de lágrimas se enchiam… Mas deixou a saudade de lado, e escondeu-se atrás do sofá. De lá, via os adultos na cozinha falando mais alto. O pai até parecia que sorria! Teve certeza de que alguma coisa acontecia. Lembrou-se da telinha, onde o professor de geografia, dizia que um dia tudo passaria. A turma não entendia e perguntava quando seria o tal dia. Ninguém respondia. A ventania não arrefecia. Parecia que até os telhados levaria. Os adultos, na cozinha, agora riam. O pai levantou-se num pulo, e o nome do menino gritou com alegria. – Estou aqui papai – disse ele saindo de trás do sofá. – O que é essa ventania? E o pai o pegou, pedindo para que não tivesse medo. Tinha chegado o dia. Mas o menino não entendia. – Essa ventania, meu filho, é o fim da pandemia. O tempo está varrendo o mundo e devolvendo tudo ao seu lugar. O menino quase explodiu de alegria. E ao ritmo da ventania dançou sua coreografia. Correu para a janela para tentar ver as coisas voltando ao lugar a que pertenciam. Na escuridão fria, imaginou o parquinho, as árvores, as montanhas, a escola, todos voando de volta montados na ventania. E de olhos fechados viu os vizinhos se abraçando pelas ruas e pulando de alegria enquanto a ventania ia.

Poesia visual X Poesia concreta

Tenho viso em algumas publicações e materiais que circulam nas escolas que o termo poesia concreta é usado como sinônimo de poesia visual. Tratam-se, no entanto, de dois conceitos, ou duas classificaç

Como fazer um poema visual infantil (parte 1)

Vou começar com este artigo uma série de reflexões sobre poemas visuais infantis. Não quero com isso esgotar o assunto, mas provocar o leitor a pensar e a ler melhor o poema visual. Mais do que o poem

Comments


bottom of page