Uma ideia para fazer a criança gostar de ler

Uma vez, um amigo me contou que estava lendo Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa, para suas crianças, então entre 8 e 10 anos. E, como confirmei, ele falava do livro original, o publicado, não de uma adaptação infantil ou juvenil.

Perguntei se não era muito difícil. Até adultos bem formados e leitores de literatura enfrentam a riqueza de Rosa tateando os neologismos, a sintaxe diferente, o enredo emaranhado etc.

Ao que ele me disse que as crianças entendem o Rosa falado. Mais que isso, ficam fascinadas com o modo como um livro pode trazer aqueles sons, estranhos, mas tão familiares.

Em outros termos, meu amigo me contava que a linguagem do autor chamava a atenção das crianças e provocava a imaginação delas. Mesmo sem compreender toda a história, fascinavam-se com as palavras, com os sons.

Momento de virada

A conversa me fez pensar que, se é importante ler os livros adequados para as faixas etárias, existe um momento de virada. Trata-se daquela idade, ao redor dos 8 anos, quando a criança já consegue (ou deveria conseguir, e esse é um tema para outro momento) ler sozinha, ou apenas com apoio de um leitor fluente, os livros apropriados para a idade dela.

Ler para essas crianças pode se tornar um desafio. O livro conhecido, cuja história a criança já leu e releu por conta própria, vai perdendo o encanto depois de algumas leituras do adulto. Ao mesmo tempo, a criança quer mais da leitura, quer o estímulo que outras mídias proporcionam ao longo do dia.

Estímulo de outras mídias

Evitando o extremo de Guimarães Rosa, e aproveitando o interesse de minha filha pelos filmes juvenis da Disney, passei a ler obras mais juvenis para ela, então com 8 anos.

O resultado foi o desenvolvimento de um interesse real pela literatura, um entendimento do que pode ser um livro e a inserção prazerosa do objeto livro no cotidiano.

Começamos com as obras de JK Rowling, depois de termos visto várias vezes os filmes de Harry Potter. Passamos então a livros derivados de filmes como Descendentes e spin offs da série After High.

E seguimos por esse caminho. Usei as mídias mais presentes no cotidiano para apresentar a literatura, a versatilidade e riqueza dos livros.

Hoje, aos 11 anos, continuamos lendo juntos algumas séries juvenis (como O lar da Srta. Peregrine) enquanto ela envereda por leituras que não estão necessariamente relacionadas a outras mídias.

É a autonomia da leitura que os educadores buscam: interesse pelo livro e a presença natural dele na família.

***

SE COMPRAR NA AMAZON.COM.BR POR AQUI, JÁ ESTÁ AJUDANDO O BLOG:

Livros infantis em oferta na Amazon.com.br


#coisadecrianca #entretenimento #leitura #pais #dicasparamaes #HISTORINHA #criancaseinstagram #literaturainfantil #INFANCIA #EDUCACAO #historiainfantil #contosdecrianca #criancas #maes #literaturabrasileira #educacaoinfantil #maesefilhos #lerparaumacrianca #2a10anos #crianca #leiaparaumacrianca #dicasparafilhos #dicaparapais #historiacurta #consumoinfantil #dicas #comportamentoinfantil

Você conhece crônica? Escrever crônica não é fácil. É um gênero de texto que exige uma certa intimidade com as palavras e um jeito especial de ver as coisas que acontecem ao nosso redor e, ainda, ter

Coisa de Criança está fazendo um curso fantástico: Criando Canções, com o mestre das letras e músicas Paulo Tatit, do Palavra Cantada. Ele mesmo! O desafio de cada aula é escrever uma letra para linda

Dois mil e vinte e dois será um ano que valerá por dois. Estamos – mundialmente – há centenas de dias dentro de casa, nas telas, dedos presos no teclado. Dois mil e vinte. Dois mil e vinte sorrisos pr