top of page

Romance infantojuvenil tira pré-adolescência do limbo


Além do longo título, o livro infantojuvenil “O dia que minha vida mudou por causa de um chocolate comprado nas ilhas Maldivas”, de Keka Reis (editora Seguinte), tem uma característica muito peculiar: aborda as agruras, dúvidas e angústias dos pré-adolescentes de 11 anos. Ou será que retratar o mundo do início do ensino fundamental 2 é ainda tratar da infância de crianças de 11 anos?


FAIXA ETÁRIA NO LIMBO

Essa faixa etária não tem recebido a devida atenção da literatura nacional ou do teatro. Ou se criam enredos com personagens mais novos, realmente infantis, ou mais velhos, adolescentes efetivamente.

Os sentimentos e pensamentos dos pequenos entre 10 e 13 anos acabam ficando no limbo, entre um mundo em formação e repleto de novidades e outro marcado pelo ritmo hormonal e a proximidade da vida adulta.


DECLARAÇÃO DE AMOR ATRAPALHADA

Em “O dia que minha vida mudou…”, a menina Mia, 11 anos, recebe um bilhete de seu melhor amigo. Ele a convida para voltar para casa ao lado dele na perua escolar.

Embora façam isso todos os dias, já que são melhores amigos, o bilhete carinhoso, que acompanha uma barra de chocolate, é a forma encontrada pelo rapaz para transformar a amizade em namoro.

A atitude provoca reações entre hilárias e tragicômicas. A autora faz um retrato realista usando o ponto de vista da personagem principal.


A linguagem é trabalhada cuidadosamente, e dá veracidade à personagem de 11 anos, suas questões, seus amigos e o universo escolar em que vive. Um mundo em que praticamente não há espaço para pessoas da idade dela, que vê tudo desmoronar, a começar pelo recreio que se transforma em “intervalo”, e o pátio do colégio, ocupado pelos adolescentes “originais de fábrica”.


Incomodada, Mia encontra na cabine do banheiro feminino seu espaço de reflexão, de onde, no entanto, consegue ouvir conversas e assim inferir fatos sobre seu ex-amigo e futuro possível namorado.


CONTINUAÇÃO DE RESPEITO


Atendendo ao interesse dos jovens pré-adolescentes pelas séries, seja de televisão ou de livros, há uma continuação ao primeiro livro: “O dia em que minha vida mudou por causa de um pneu furado em Santa Rita do Passa Quatro”.


A personagem continua divertindo com seus pensamentos, ações e trapalhadas. O que tinha começado no primeiro livro ganha mais corpo neste volume agradando não só pré-adolescentes, mas jovens que gostam de uma boa história e de personagens divertidos que ficam na cabeça ao final da leitura.



Poesia visual X Poesia concreta

Tenho viso em algumas publicações e materiais que circulam nas escolas que o termo poesia concreta é usado como sinônimo de poesia visual. Tratam-se, no entanto, de dois conceitos, ou duas classificaç

Como fazer um poema visual infantil (parte 1)

Vou começar com este artigo uma série de reflexões sobre poemas visuais infantis. Não quero com isso esgotar o assunto, mas provocar o leitor a pensar e a ler melhor o poema visual. Mais do que o poem

Comments


bottom of page